EUA advertem que 'acabou a paciência' com a Coreia do Norte

18 Março 2017 08:19:04

El País
Foto: POOL (GETTY IMAGES)
O Secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, aperta a mão do presidente sul-coreano em exercício, Hwang Kyo-ah, à direita.

Os Estados Unidos estão dispostos a fazer uso da força contra a Coreia do Norte se for necessário. Foi o que advertiu na sexta-feira o Secretário de Estado, Rex Tillerson, depois de reuniões com as autoridades sul-coreanas em Seul na segunda etapa de sua viagem pela Ásia, dominada pela ameaça que representa o programa nuclear do regime de Kim Jong-un.

Embora tenha insistido que os Estados Unidos não querem que a tensão leve a um conflito militar, "deixamos isso claro em nossas comunicações", se a Coreia do Norte tomar medidas que coloquem em perigo a Coreia do Sul ou as tropas dos EUA ali posicionadas, "receberá uma resposta adequada". Perguntado sobre a possibilidade de optar pela via militar, o chefe da diplomacia norte-americana afirmou que "se eles aumentarem a ameaça de seu programa de armamento a um nível que nos pareça necessária a ação, essa opção está sobre a mesa". 

A Coreia do Norte ameaçou testar ainda este ano um míssil de longo alcance que poderia chegar ao território continental norte-americano. Em menos de um mês lançou cinco mísseis de médio alcance no Mar do Japão, três dos quais alcançaram águas sobre controle japonês, em ações que os analistas interpretaram como uma tentativa de testar o novo Governo norte-americano do presidente Donald Trump. 

A Casa Branca indicou que está realizando uma revisão completa de sua política para a Coreia do Norte. Tillerson visitou na sexta-feira, ao chegar na Coreia do Sul, a Zona Desmilitarizada (DMZ) de apenas dois quilômetros de largura que separa os dois Estados na península na altura do paralelo 38. Os dois países ainda estão, tecnicamente, em guerra depois do armistício que suspendeu as hostilidades entre ambos em 1953. 

Ali, Tillerson se reuniu com representantes dos quase 28.000 soldados norte-americanos posicionados na Coreia do Sul e teve oportunidade de comprovar a pouca distância que separa Seul e seus 20 milhões de habitantes da última fronteira da Guerra Fria. 

Na etapa prévia de sua viagem, em Tóquio, o antigo CEO da petroleira Exxon Mobile tinha advertido que a estratégia norte-americana adotada em relação à Coreia do Norte nos últimos 20 anos "fracassou". Essa estratégia, que começou em 1994 como ajuda humanitária em troca da renúncia, por parte do regime, de desenvolver armas nucleares, sofreu seu pior revés em 2002, quando Pyongyang reconheceu que continuava com seus planos. Desde então os coreanos realizaram cinco testes nucleares, dois deles no ano passado. 

O antigo CEO da petroleira Exxon Mobile se reuniu também na sexta-feira com o presidente em exercício da Coreia do Sul, Hwang Kyo-ahn. Hwang assumiu o cargo depois da destituição de sua predecessora, Park Geung-hye, confirmada pelos tribunais na semana passada. O país vai antecipar a eleição presidencial para 9 de maio. 

O favorito para ganhar essa eleição é Moon Jae-in, do Partido Democrático da Coreia, de orientação progressista e que tradicionalmente se inclina mais para uma política de aproximação com Pyongyang. 

Dois de seus assessores, citados pela agência Reuters, asseguraram que, se for eleito, Moon vai revisar o processo de entrada em funcionamento do THAAD, o escudo antimísseis de fabricação norte-americana que a Coreia do Sul começou a instalar em seu território com a oposição da Rússia e da China. 

Pequim se opõe firmemente à instalação desse sistema defensivo. Seul e Washington asseguram que o único objetivo é prevenir ataques do norte, mas a China alega que os radares do escudo podem ser usados para espionar movimentos dentro de seu território. Pequim lançou uma campanha não oficial de boicote aos produtos e às populares séries de televisão sul-coreanas. 

Tillerson chegará no sábado a Pequim, a última etapa de sua viagem. Estão previstas reuniões com o ministro de Relações Exteriores, Wang Yi, o conselheiro de Estado Yang Jiechi - acima do ministro no escalão chinês - e o presidente Xi Jinping. 

Vai conversar com todos sobre o THAAD e o programa de armamento norte-coreano. Desde a campanha eleitoral, Trump acusa a China de não exercer toda sua influência para persuadir Pyongyang da necessidade de terminar com esse programa. Pequim responde que apenas sanções não vão solucionar a crise, embora tenha anunciado um embargo às importações de carvão norte-coreano, uma das principais fontes de ingresso de divisas para o regime de Kim Jong-un.


ConexaoMaster.gif


Enquete

Você costuma preocupar-se com a economia doméstica?


 

INFORMAÇÕES E CONTATO

AV. Salomão Carneiro de Almeida, 338 - Sala 26 - Ed. Gaboardi Master Center - 89520-000 - Curitibanos/SC (49) 3245.1711

Copyright © 2015 A SEMANA EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados.